Os caminhos para autoconsciência

Um dos grandes focos da psicologia clínica é o trabalho do autoconhecimento de nossos pacientes. Podemos dizer que isso resulta inclusive da razão pela qual muitos buscam o processo psicoterápico. Seja para compreender melhor uma situação vivenciada, superar algum trauma de infância ou entender o que está por trás de comportamentos e emoções, é através do autoconhecimento que podemos desenvolver maturidade emocional e evoluirmos em nossas próprias verdades. 

Existe diferença na qualidade de vida de quem possui consciência emocional desenvolvida.  A autoconsciência é, às vezes, um sinal saudável de maturidade emocional. Quando não sabemos dizer o que sentimos, nos tornamos reféns de nossas emoções, precisamos de tempo para “digerir” uma situação angustiante, as vezes reagimos de forma inadequada, nos sentimos intimidados e quase sempre nos percebemos apenas na posição de reação, de quem apenas sofre a ação e reage a ela. Já quando possuímos discernimento do que sentimos, estamos não mais na posição de vítima ou apenas de reação, mas de quem está à frente e no controle do alcance da emoção vivenciada.

Muitas vezes acabamos por limitar nossos comportamentos por razão das sensações que sentimos, uma vez que têm um efeito muito físico e tangível sobre nossa saúde. Emoções são os rótulos que damos à estas sensações que se manifestam fisicamente em nós. Assim, podemos dizer que essas emoções conversam com a gente através do nosso corpo e podem nos fazer bem ou mal. Emoções negativas, por exemplo, são produzidas por diferentes graus do estado de estresse, ou seja, também envolve uma reação biológica.

Através dessa autoconsciência passamos a acalentar nossas dificuldades perante determinadas situações, conseguimos reorganizar de forma assertiva e confiante. Um outro importante ponto, é que a capacidade de reconhecer nossos próprios sentimentos é a base para que possamos reconhecer os sentimentos dos outros (empatia). Isso nos faz entender porque muitas empresas presam a característica de liderança emocional em seus profissionais, pois grandes líderes criam um clima emocional positivo, um ambiente de trabalho saudável, encorajando os demais profissionais.

Essa consciência nos apropria da responsabilidade que possuímos perante nossas atitudes e escolhas. Desempenhamos um papel crítico na maneira como nos entendemos e como nos relacionamos com os outros e com o mundo. Passamos a ter consciência de seus pontos fortes e fracos, entendemos a relação entre o que sentimos e o que pensamos, o que nos permite expressar nossas opiniões com mais franqueza, mesmo que possam desagradar alguém. Em outras palavras, passamos a ter autocontrole sob nosso comportamento, ou seja, autonomia perante aquilo que os outros nos fazem e que podem, por alguma razão esbarrar em uma lembrança negativa ou fragilidade nossa.

Quanto mais nos conhecemos mais temos condições de discernir sobre qualquer situação que a vida nos apresente. Se autoconhecimento é a base da transformação, logo é possível entendermos que isso leva tempo, na verdade não existe um ponto de chegada: estamos sempre em transformação. Esse dinamismo da vida nos leva a crer que, se a vida muda e mudamos com ela, autoconsciência se trata muito mais de uma filosofia de vida do que algo a ser adquirido: a busca pela compreensão de nós mesmos é algo que permeará sempre nossa existência.

Precisamos sim caminhar para um momento em que consigamos nos fazer a pergunta certa:  o que eu busco no mundo realmente é o que me fará feliz? Quais são minhas maiores habilidades e fraquezas? Existem muitas perguntas que quando utilizadas de forma correta, proporcionam reflexões que permitem o entendimento sobre comportamentos recorrentes e a descoberta de aspectos que impedem o crescimento pessoal.

Na verdade, existem muitas ferramentas eficazes para auxiliar o autoconhecimento como a meditação, alguns livros de autoajuda e ferramentas de Coaching. Entretanto, esse processo possuirá outra qualidade se acompanhado por um profissional adequado. Em alguns casos e circunstancias, quando esbarramos em nossa história de vida, podem existir conteúdos reprimidos, de difícil acesso e que precisam ser trabalhados de forma ética e atenta, fazendo com que a figura de um profissional da psicologia se torne ainda mais necessária. Por fim, seja lá como percorrerá as trilhas da autoconsciência emocional e o autoconhecimento, essa busca interior só começa a partir de sua escolha, de seu entendimento, esforço e permissão.

Me. Matheus Rego Silveira

Matheus Rego Silveira é formado em psicologia pela UniFACEF - Centro Universitário Municipal de Franca e Mestre em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela USP - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Trabalha em Psicologia Social, onde desenvolve estudos e pesquisas-intervenções com crianças vítimas de violência ou em situação de risco e vulnerabilidade; e Psicologia Clínica na abordagem Fenomenológica Existencial.

6 comentários em “Os caminhos para autoconsciência

  • 11/02/2019 em 08:38
    Permalink

    Concordo plenamente com você. O sucesso profissional e pessoal requer autoconhecimento e constante aprendizado, diante do cenário das constantes e intensas mudanças que nossa sociedade apresenta. A presença de profissional orientando a busca pelo autoconhecimento é fator determinante para a felicidade que todos almejam.

    Resposta
  • 11/02/2019 em 13:05
    Permalink

    Adorei…. eu sempre me encontro refletindo sobre o meu “eu” e como estamos em constante mudança e aprendizado.
    Adorei o texto!

    Resposta
  • 11/02/2019 em 14:42
    Permalink

    concordo Matheus!!
    parabens pelo trabalho lindo que vc faz.

    Resposta
  • 11/02/2019 em 19:35
    Permalink

    A busca do autoconhecimento, e um fator de grande importância para nosso bem estar . É através deste conhecimento que conseguimos nos conhecer, e dar a devida atenção aos nossos sentimentos. A ajuda psicológica é de extremo valor. Excelente colocação.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *